Conheça o CVT

O máximo aproveitamento da potência e do torque do motor, com economia de combustível e conforto, desempenho suave e uniforme para acompanhar a sensibilidade do motorista são alguns dos benefícios conseguidos no desenvolvimento da transmissão automática Honda CVT (Continuously Variable Transmission), com relações de marchas continuamente variáveis, que equipa o compacto Honda Fit, o primeiro automóvel nacional a contar com essa tecnologia.

Conceitos

O sistema, concebido para possibilitar ao motor trabalhar sempre na faixa mais eficaz de rotação, utiliza sofisticados e complexos dispositivos eletrônicos e de mapeamento para selecionar a marcha adequada, de acordo com circunstâncias como aceleração, velocidade e retomada.

CVT diagrama

Durante a condução, a aceleração é monitorada permanentemente. Quando o acionamento do pedal do acelerador em um determinado espaço de tempo supera o programado, o módulo de controle eletrônico seleciona um novo mapeamento, que passa a utilizar faixas mais altas de rotação do motor. O ajuste constante da relação de marchas proporciona uma condução mais suave, progressiva e intuitiva.

Na transmissão automática Honda CVT o acoplamento é feito pelo volante do motor e a conexão é mecânica, utilizando polias de diâmetro variável interligadas por uma correia metálica, com baixíssima perda mecânica, possibilitando infinitas relações, inclusive para a marcha à ré. A variação contínua da largura das polias em “V” motriz e movida, por meio hidráulico, permite alterar continuamente a relação de transmissão entre as polias efetuadas por uma correia metálica também em “V”.

Com isso, o sistema, que realiza as trocas de marchas sem estágio e na velocidade ideal, proporciona uma firme sensação de aceleração e desaceleração e garante baixo consumo de combustível, comparáveis aos da transmissão manual. Desenvolvida com materiais resistentes e leves, a transmissão automática Honda CVT foi concebida exclusivamente para equipar automóveis compactos, como o Honda Fit, oferecendo grande eficiência, além de possuir menos peças móveis e eixos menores que as transmissões convencionais.

A correia metálica apresenta alta durabilidade e ótimo desempenho em todos os regimes possíveis de rotação, exigindo apenas a troca do fluído, conforme orientação do Manual do Proprietário. Foi adotado no CVT o volante de massa única, contribuindo para a redução do peso e quantidade de componentes. Por sua vez, a bomba de óleo foi colocada sobre o eixo primário, o que contribui também para reduzir o número de peças. Além disso, o corpo de comando foi fixado sobre a caixa, e o solenóide linear, que tradicionalmente era independente, constitui agora um corpo único e foi eliminada a bandeja de óleo da caixa de transmissão de comando. Todas essas medidas contribuíram para a redução do peso.

Consumo de Combustível
O consumo de combustível também foi melhorado, pois, além de existir o comando hidráulico independente para a polia motora/movida, o pistão que comanda a polia do lado motriz foi aumentado, para segurar a correia com força maior e reduzir o trabalho da bomba de óleo, aumentando dessa forma a eficiência e, conseqüentemente, anulando o efeito negativo ao consumo de combustível.

Vantagens do CVT

  • Aceleração constante, sem degraus, desde a imobilidade até a velocidade de cruzeiro.
    Benefício : Elimina o “choque da troca” – deixa o rodar mais suave.
  • Funciona para manter o carro na sua melhor faixa de potência, independentemente da velocidade em que o carro está andando.
    Benefício : Menor consumo de combustível.
  • Melhor resposta a mudanças de condições, como acelerador e velocidade.
    Benefício : Elimina a caça de marchas conforme a velocidade diminui, desacelera especialmente subindo serras.
  • Menor perda de potência com uma CVT do que com uma caixa automática convencional.
    Benefício : Melhor aceleração.
  • Melhor controle da faixa de rotação num motor a gasolina.
    Benefício : Melhor controle de emissões.
  • Pode incorporar versões automatizadas de embreagens mecânicas.
    Benefício : Substitui ineficientes conversores de torque hidráulicos.
  • Hora de Dirigir
    Por suas características e inovações, a transmissão automática Honda CVT oferece prazer ao dirigir e respostas rápidas e suaves, em percursos urbanos ou rodoviários. Para extrair o máximo de desempenho do motor, em termos de potência e torque, e responder às expectativas conforme as necessidades do motorista, é importante utilizar corretamente cada modo de condução.

    A manopla tem seis posições básicas: “P”, para quando o veículo está estacionado; “R”, para acionar a marcha à ré; “N”, “Neutro” ou para movimentar o veículo com o motor desligado; “D” que significa “Drive”, para uma condução normal; “S”, para uma condução esportiva e em rodovias sinuosas e “L”, para subidas íngremes, uso do freio-motor em descidas acentuadas ou ainda em superfícies onde não há capacidade total de tração, como areia e lama, limitando a relação de tração, para evitar que as rodas patinem.

    A posição “D” divide-se ainda em três opções, selecionadas eletronicamente pelo sistema após a análise de cada situação:

  • “D1”, para privilegiar a economia de combustível, em trechos de velocidade e aceleração constantes.
  • “D2”, ideal para percursos urbanos ou em congestionamentos, que exigem relações de marchas mais reduzidas e trocas freqüentes.
  • “RS”, na necessidade de aceleração total, saída rápida ou ultrapassagem, em que toda a potência do motor é exigida por um período curto de tempo.
  • O modo “S” também apresenta duas variáveis, também selecionadas eletronicamente:

  • “S1”, para uma condução esportiva, envolvendo uma aceleração progressiva. O motor trabalha em faixas elevadas de rotação e com relações de marchas reduzidas.
  • “S2”, ideal para condução normal em estradas sinuosas, em que há frenagens seguidas de aceleração. Na saída da curva, exige-se mais aceleração, enquanto o freio-motor atua mais intensamente para diminuí-la na entrada da próxima curva.
  • Comentários e Sugestões
    Para comentários, sugestões e duvidas sobe CVT, clique aqui

    Comentários e Sugestões
    Para saber como trocar o óleo da transmissão CVT, DIY – Troca de óleo CVT

    Fontes Consultadas
    Honda do Brasil – www.honda.com.br
    How Stuff Works