Brasil

A 1.ª Geração do Honda Fit conhecido pelo pessoal como Fit GD ou simplesmente Fit aqui no Brasil foi criado no Japão e em junho de 2001 para estreiar no mercado japonês.

Desembarcou no Brasil em 2003 sendo produzido na fábrica recém inaugurada na época, em Sumaré, no interior de São Paulo. Essa chegada ao Brasil, veio como experiência para o mercado americano. A Honda não sabia ao certo quais eram seus concorrentes no Brasil, se os Hatchs Premium ou as Minivans. Essa dúvida perdura até hoje e você poderá conferir nos diversos comparativos em revistas especializadas como por exemplo Honda New Fit (GE) x Fiat Punto, mas a categoria adotada para o Fit pela imprensa, foi a de Minivan. Desde o seu lançamento no Brasil, ganhou todas as edições do prêmio promovido pela revista 4 rodas, “Os Eleitos”, onde o consumidor vota nos melhores carros. Na classificação geral levou o primeiro lugar de 2004 à 2007 e nas edições de 2008 e 2009 ficou em primeiro lugar nas Minivans.

O Honda Fit conta com oito diferentes opções que se encaixam no perfil de qualquer consumidor, todas elas equipadas com ar-condicionado, transmissão manual de cinco velocidades ou automática CVT (Continuously Variable Transmission), sistema de direção eletricamente assistida EPS (Electric Power Steering) e trio elétrico.

As versões LX e LXL do Honda Fit dispõem do avançado motor SOHC i-DSI (Intelligent Dual Sequential Ignition), caracterizado pela economia de combustível, tamanho reduzido, torque máximo em baixas rotações e baixo nível de emissão de poluentes. A título de curiosidade esse motor é o mesmo utilizado hoje na plataforma do Civic Híbrido na Europa. O motor 1.4l 8V tem potência de 80 cv a 5.700 rpm e torque de 11,8 kgfm a 2.800 rpm, o que favorece o uso urbano quando o veículo é mais exigido. Já o motor 1.4l da versão Flex permanece com 80 cv quando utilizado com gasolina e tem a potência elevada para 83 cv com álcool.

O motor de 1.5l 16V equipa a versão EX e S(*). Sua estrutura compacta produz 105 cv a 5800 rpm, o que é possível graças ao exclusivo comando de válvulas variável Honda (VTEC). A tecnologia varia tanto o tempo como a profundidade de abertura das válvulas para máxima eficiência em diferentes regimes de marcha. Assim, a performance beneficia a economia de combustível, o desempenho e as emissões de poluentes, seja em rotação elevada ou reduzida.

A versão LX do Honda Fit traz airbag frontal para o motorista, enquanto a LXL e a EX contam com airbag frontal também para o passageiro, além de freios ABS (Anti-lock Braking System) e EBD (Electronic Brake Distribuition).

Histórico de sucesso

Inicialmente comercializado na versão 1.4l ganhou o reforço da opção com propulsor 1.5l em fevereiro de 2005, o que alavancou ainda mais as vendas do monovolume, assim como a chegada do Honda Fit Flex em Dezembro de 2006.

Por que Honda Fit?
Justo, exato, adequado são apenas alguns significados para essa palavra da língua inglesa, de fácil memorização, que define exatamente o conceito do novo monovolume compacto da Honda: um automóvel ideal para os variados momentos e etapas da vida das pessoas.

Em virtude da sua versatilidade, o Honda Fit tem um público-alvo amplo, independentemente da faixa etária. Pode ser o jovem em busca do primeiro carro, fácil de dirigir, moderno e esportivo. O casal que precisa de um veículo econômico e compacto, com muito espaço para bagagem e com ótima relação custo-benefício. Adultos solteiros que precisam de um modelo compacto e prático para o uso no dia-a-dia. Donas-de-casa ou mães de família que escolhem seu veículo pelo espaço interno e versatilidade, essenciais para quem vai às compras ou leva as crianças para a escola.

Seja qual for o perfil do usuário ou a finalidade, esses consumidores têm algumas características em comum: desejam um automóvel econômico, espaçoso, ágil e com personalidade e estilo que os diferencie.

Espaço interno

Externamente, o Honda Fit é um monovolume compacto, mas por dentro o modelo cria um novo padrão de espaço interno. A chave desse diferencial é o desenvolvimento de um novo chassi com a tecnologia Global Small Platform, para atender aos desafios impostos pelo conceito Personal Max: dianteira reduzida, espaço maximizado, cabine alta e porta-malas flexível.

A partir dessa plataforma, o Honda Fit se destaca em cinco aspectos:
– Design: visual externo arrojado e interior confortável e ergonômico;
– Espaço e funcionalidade: interior surpreendentemente amplo, aproveitável, flexível e de fácil configuração;
– Dirigibilidade: alto desempenho com economia de combustível;
– Segurança: carroceria dentro dos mais exigentes padrões internacionais;
– Ecologia: um automóvel econômico e que apresenta baixos níveis de emissões de poluentes.

O desenho da nova plataforma possibilitou instalar o tanque de combustível, com capacidade para 42 litros, sob o assoalho, centralizado abaixo dos bancos dianteiros.

Essa solução, somada à suspensão traseira com barra de torção, confere ao Honda Fit um assoalho mais baixo para a cabine e muito mais espaço, resultado também das características do motor, que, por ser compacto, permite uma dianteira curta. Ao mesmo tempo, essa configuração garante rigidez, proteção contra impactos em todas as direções, inclusive para o tanque de combustível que, pela localização, fica protegido pelas barras do chassi e isolado no caso de colisões traseiras, laterais e frontais.

Design externo

O design externo do Honda Fit, de personalidade singular, é baseado na concepção de cabine ZENSHIN, onde estão embutidas as idéias de: “corpo inteiro, para frente e tudo novo”. O desenho é avançado, futurista, original e altamente aerodinâmico, destinando pequeno espaço para o motor e espaço maior para o habitáculo, tendo como premissa o baixo consumo de combustível. Algumas diretrizes foram determinantes no projeto, como estilo, visibilidade e sensação de liberdade – favorecidas pela ampla área envidraçada -, facilidade de realizar manobras, prazer ao dirigir, espaço, aerodinâmica e baixo consumo. A proposta foi aperfeiçoada também para aliar utilidade e esportividade.

A concepção do novo chassi Global Small Platform e do conjunto motor, transmissão e suspensão compactos possibilitou criar, sem perda de desempenho e agilidade, um automóvel com uma frente reduzida, favorecendo a dirigibilidade e, principalmente, o espaço interno.

Em virtude do formato aerodinâmico, os espelhos retrovisores têm baixa resistência ao ar e ajudam a eliminar o ruído produzido pelo vento quando se trafega em alta velocidade. O amplo ângulo de abertura das portas e a altura do assento em relação ao solo tornam o Honda Fit um veículo de fácil acesso. Além disso, a maior distância interna entre o assoalho e o teto, de 1.280 mm, e entre os bancos dianteiro e traseiro, de 935 mm, pode ser comparada à das minivans, oferecendo conforto aos ocupantes de estatura mais alta.

Design interno

A qualidade do acabamento interno do Honda Fit sobressai pelos materiais empregados e pelo design. Toda a área envidraçada recebeu vidros verdes com filtro UV, que protegem os ocupantes da incidência dos raios solares. O pára-brisa degradê ajuda a reduzir o ofuscamento causado pelo sol.

Para oferecer o máximo de comodidade no acesso ao veículo, mesmo em locais com pouco espaço disponível, as portas dianteiras abrem-se em dois estágios, com ângulos de 40 e 63 graus, assim como as traseiras, que podem ser abertas em dois estágios, com ângulos de 33 e 67 graus.

Com a tampa traseira aberta, a maçaneta interna fica a 1.870 mm do solo, facilitando o acesso mesmo aos usuários de baixa estatura. A altura entre o chão e a parte superior do pára-choque, de 620 mm, facilita o manuseio de objetos mais pesados.

O posicionamento dos dutos do sistema de ar-condicionado, que tem regulagem manual, possibilita direcionar o ar de forma racional, criando um ambiente interno mais agradável. Na frente, há dutos difusores embaixo do painel de instrumentos, assim como para a parte de trás da cabine. O ruído dos ventiladores foi minimizado no projeto, para aumentar o conforto.

Fontes de ruído e vibração foram minimizadas ou eliminadas no Honda Fit, usando-se uma eficiente combinação de materiais à prova de som, resultando em um interior confortável e silencioso. Nesse sentido, as portas são duplamente seladas, ajudando a reduzir consideravelmente a quantidade de ruído que penetraria na cabine. O capô, o painel de instrumentos, a coluna central, o assoalho e o teto também possuem revestimento acústico.

Sistema ULT de configuração dos bancos: simples, flexível e inteligente

O Honda Fit possui um conjunto de bancos flexível, proporcionando uma ampla gama de possibilidades: mais de dez combinações de bancos, sem a necessidade de remoção. A capacidade de carga, com os bancos na posição normal, é de 353 litros com a tampa do porta-malas e de 380 litros sem a tampa. Rebatendo o banco traseiro, é possível acondicionar 1.321 litros.

Fácil de usar, o sistema ULT (sigla que reúne as palavras “utilitário”, “longo” e “alto”, em inglês) não exige esforço na operação. O mecanismo de retração inclui em média três procedimentos simples e, ao contrário de modelos concorrentes, não é preciso retirar os bancos ou os encostos de cabeça. O sistema prevê três configurações básicas para os assentos:

Modo”Utility” – Para carregar volumes maiores, primeiro o banco dianteiro é empurrado para a frente por meio de uma alavanca localizada próximo ao encosto de cabeça. O banco traseiro é rebatido, por meio de outra alavanca, sem a remoção dos encostos de cabeça e, finalmente, o banco dianteiro é movido para trás, voltando à posição original. O resultado é um assoalho totalmente plano e sem protuberâncias, formando um ângulo de 90°em relação ao banco dianteiro, com um comprimento de 1.700 mm e capaz de acomodar objetos tão largos quanto duas bicicletas mountain bike.

Modo”Long” – Se o objetivo for acomodar objetos longos, inclinando totalmente o encosto do passageiro é possível aproveitar uma área de 2.400 mm de comprimento. Para retornar os bancos à posição original, o dianteiro simplesmente desliza para a frente e o encosto traseiro é levantado para trás. Nesse momento, a base do assento traseiro fica travada automaticamente ao encosto, sendo liberada puxando-se o suporte inferior. A base do assento traseiro é então dobrada para baixo e o banco dianteiro desliza para trás novamente.

Modo”Tall” – Outra inovação está no procedimento inverso ao anterior. A base do assento pode ser levantada e travada contra o encosto do banco traseiro, criando uma área entre as fileiras de bancos capaz de armazenar uma grande variedade de objetos. A medida do espaço resulta em 1.280 mm de altura total, suficiente para acomodar objetos de dimensões pouco convencionais, até uma mountain bike, sem a roda dianteira.

As possibilidades são infinitas: o espaço pode ser usado como alternativa para a circulação quando o acesso traseiro é limitado, no caso de estacionamentos apertados; como área para as crianças trocarem a roupa molhada na praia; para carregar uma cadeira de rodas ou ainda guardar objetos sujos ou molhados, protegendo os assentos traseiros da sujeira.

Outras características

O modelo comercializado tinha dois anos de garantia sem limite de quilometragem e tinha as opções de cores : Prata Satin e Azul Sirius (esta disponível somente para a versão EX),Grafite Dark, Preto Granada ,Prata Global, Branco Taffeta, Dourado Poente, Grafite Magnesium, Vermelho Milano, Verde Vermont, Grafite Antártico, Preto Nighthawk e Verde Deep Perolizado.


(*) – A versão do Fit S foi fabricada em 2008 no último ano de produção da Geração 1, Confira detalhes dessa versão na Diferenças entre os modelos GD

Fonte Consultada
Honda do Brasil – www.honda.com.br